Almanaque No 18

Editorial

Ludmilla Feres Faria

Com vocês, o Almanaque 18, cujo tema “As novas configurações familiares”, com certeza, será de muito valor para nossos trabalhos rumo ao ENAPOL VIII – “Assuntos de família: seus enredos na prática”.   Em Trilhamentos contamos com a amável contribuição

A psicanálise em relação às famílias

ROSE-PAULE VINCIGUERRA

Se o inconsciente é político, não é “fora das antinomias que constituem as relações dos homens com a natureza e a sociedade” (LACAN, 2001a, p.59)[1] que o psicanalista deve situar sua pesquisa. O que ocorre, então, nas famílias hipermodernas –

O avesso da procriação

FRANÇOIS ANSERMET

Poderia-se definir a família como uma instituição feita para tratar a diferença dos sexos e das gerações. Baseado nessas diferenças, ela é, ao mesmo tempo, uma construção artificial que vela o real que essas diferenças indicam. Ela é, portanto, fundamentalmente

A família entre a ciência e a lei

FABIAN FAJNWAKS

Famílias recompostas, monoparentais ou homoparentais. As diversas figuras da família que nossa época nos apresenta encontram-se determinadas pelos progressos da ciência – pelo discurso jurídico que acompanha esse progresso –, em que o impacto da psicanálise na cultura também tem

Entrevista com Márcia Tiburi sobre o livro “Uma fuga perfeita é sem volta ”

por Ludmilla Féres Faria e Márcia Mezêncio

Nosso encontro com seu livro foi provocado por uma entrevista a uma rádio de BH, por ocasião do seu lançamento, que ressoou com o tema de trabalho ao qual nos dedicaremos no ano de 2017 na Jornada da Escola Brasileira de Psicanálise, seção

Inconsciente e família

Sérgio Laia

A família se configura como um tema de fundamental interesse para a sociedade contemporânea e, consequentemente, para a clínica psicanalítica. Em que sentido as profundas transformações que essa instituição tem sofrido, acarretam consequências na transmissão de uma constituição subjetiva? A

A família na interface direito e psicanálise

MÔNICA CAMPOS SILVA

Podemos observar que a família, sua construção social e os efeitos subjetivos que advieram dessa forma de aglomeração transformaram-se através dos tempos, acompanhando mudanças religiosas, econômicas e socioculturais. O conceito de família é muito extenso, podendo ser a forma de

Erguer a cabeça e tomar a palavra: efeitos socioeducativos na adolescência de Malony

MARIA JOSÉ GONTIJO SALUM

De cabeça erguida[1], uma produção francesa de 2014, mostra situações da vida de um adolescente em conflito com a lei – que guarda similaridades com o que acomete muitos desses jovens no Brasil. O filme relata o percurso do personagem

A transparência do gozo da mãe e o delírio como segredo

Laura Félix Reis Maciel / Márcia Rosa

Ao formular as estruturas de parentesco, o antropólogo Claude Lévi-Strauss (1947/2009)[1] evidenciou a presença de um conjunto de regras muito restritas que comportam uma primeira lei, a exogamia. Partindo daí, traçou as condições algébricas da escolha de objeto: as estruturas

Esse X

PATRICK MONRIBOT

  Ela se lembra de um detalhe que considera “divertido”. Ela designa sistematicamente seu analista pelo apelido de “Senhor X”, um hábito que faz rir seus amigos. De que se trata, de uma descrição indispensável, ou de um mistério intrigante?

Grandeza e miséria de um nome

YVES DEPELSENAIRE

O patronímico desse sujeito condensa toda sua neurose. Alguma coisa como uma “falsa ascensão”[i], a combinação de um nome plebeu e um aristocrático, ao mesmo tempo, como é nos célebres (Giscard D’Estaing e Galouzeaus de Villepin).   Marca de uma

Avatares e Atualidade do “Complexo de Intrusão”

JEAN-DANIEL MATET

O destino do Complexo de Édipo e o que está para além dele selam o destino da família pela estrutura fora da natureza da transmissão humana que eles condicionam. Nesse ponto, a família lacaniana é, numa primeira abordagem, bem semelhante

Mentira e Ficção: o Discurso da Histérica, a Cura pela Fala e o Indizível do Sinthoma

Ana Helena Souza

O texto de Beckett ao qual recorro aqui é considerado o auge da depuração de sua escrita. Chama-se Worstward Ho, literalmente, “em direção ao pior, vamos”. Traduzi-o como Pra frente o pior (Beckett, 2012)[1]. Essa prosa é construída com extrema

O amor pelo pai na histeria

Raquel Martins de Assis

Quem, como eu, invoca os mais maléficos e maldomados demônios que habitam o peito humano, com eles travando combate, deve estar preparado para não sair ileso desta luta. (Freud, 1905, Caso Dora, p. 75)   Em 1977, Lacan finaliza Considerações

Almanaque Online © 2006-2017