Psicanálise

[
jul
31

De onde vêm as mães?

De Onde Vêm as Mães? Os impasses que hoje vivem as mães trazem à tona um não saber fazer com o filho.  No serviço de psicologia e direção escolar de uma escola de Educação Infantil, as perguntas mais frequentes são:

[
jul
31

Histeria: do matema da fantasia ao discurso

A histeria é um modo particular do sujeito subjetivar a falta imposta pela castração. No presente artigo, destaca-se dois momentos distintos ao longo da obra de Lacan em que ele irá trabalhar a histeria: nos anos 50, quando o matema da fantasia histérica é enunciado e em 1969/1970, no Seminário 17, em que a histeria é tomada como discurso. Tendo como referência o caso Dora, de Freud, busca-se observar, através dos matemas da fantasia e do discurso, as estratégias fundamentais de defesa do sujeito histérico.

[
jul
31

Filiação: demissão da autoridade, desamparo do adolescente

Resumo: No presente artigo, buscamos tratar as consequências subjetivas da retirada jurídica da função parental. As ressonâncias da demissão da autoridade paterna para o filho, principalmente quando este vive a adolescência, podem fazer surgir, diante do real, a condição de desamparo e o pior como solução.
Palavras-chave: ADOLESCÊNCIA, PATERNIDADE, DIREITO, PSICANÁLISE, DESAMPARO.

[
jul
31

O que fazer com seu corpo?

O corpo não esta pronto para o ser falante. Ele precisa ser fabricado e apropriado para ser corpo próprio. Este texto investiga essas construções ao longo da história, em sociedades tradicionais ameríndias, construção por particularização através de uma materialidade que se encarna, pedaços de outros animais, alimentos, pinturas, hábitos. No oriente pelo Zen budismo onde um corpo se faz em referencia a um vazio e sensualidades. Na atualidade tomando como exemplo os Body Moods, quando se verifica um corpo feito por pedaços sem um Outro que lhe dê um modelo estável. E na psicanalise, onde o corpo que se goza a si mesmo seria feito de acontecimentos de corpo, verificáveis nos procedimentos de passe.

[
jul
31

Amores líquidos, amores nômades: sobre as formais atuais da depreciação da vida amorosa

Resumo: Os novos modos de vida amorosa dos jovens na contemporaneidade são explorados, neste trabalho, a partir da figura do “nômade”. A categoria lacaniana da “não-relação” serve de guia para o enfoque do fenômeno do nomadismo no amor, tomado como uma nova expressão da dissimetria na vida amorosa dos jovens, que destaca o fato clinico de que se a mulher equivale a um sintoma para o homem, o homem equivale a um fator de devastação para a mulher.

Almanaque Online © 2006-2017