Sinthoma

[
jul
31

O escabelo de François Augiéras: escritura e pintura do corpo do de-lito (de-leito)

O escabelo de François Augiéras: escritura e pintura do corpo do de-lito (de-leito)[1] PHILIPPE LACADÉE Augiéras nasceu em 1925, nos USA, e morreu em 1971 numa grande precariedade, em Domme, bem próximo de sua gruta, onde ele amava se refugiar.

[
mar
05

Mentira e Ficção: o Discurso da Histérica, a Cura pela Fala e o Indizível do Sinthoma

O texto de Beckett ao qual recorro aqui é considerado o auge da depuração de sua escrita. Chama-se Worstward Ho, literalmente, “em direção ao pior, vamos”. Traduzi-o como Pra frente o pior (Beckett, 2012)[1]. Essa prosa é construída com extrema

[
mar
06

Da solução do sintoma ao sinthoma como solução

Partindo de Freud rumo ao último ensino de Lacan, procuro demonstrar, neste artigo, a trajetória do sintoma como aquilo que inicia o sujeito na análise – com o desejo de livrar-se dele – até o ponto máximo de uma análise em que o sujeito se encontra com o real de seu sinthoma, do qual não é possível se ver livre: pelo contrário, tem que se haver com ele.

[
set
15

O que é que tem um corpo e não existe? Resposta: O grande Outro

O presente texto parte de uma pergunta feita por Lacan, no Seminário, livro 17: o avesso da psicanálise, quando ele define o “campo lacaniano” como o campo do gozo estruturado pelos discursos como laços sociais: “O que é que tem um corpo e não existe? Resposta — O grande outro”. Servindo- se dessa pergunta como título para o seu texto, a autora parte desse momento do ensino de Lacan, em que a estruturação dos quatro discursos constitui uma nova edição lacaniana do Outro “como estrutura no real”, que apresenta a sua inexistência não como antinômica do real, mas correlativa deste, para abordar as distintas declinações da concepção do corpo, feitas por Lacan, no percurso de seu ensino, até aquela em que o corpo assume o lugar do Outro. O texto mostra como o último Lacan, ao partir da evidência de que “há o gozo”, como propriedade de um corpo vivo e que fala, correspondente à inexistência do Outro, faz aparecer o Outro sob a forma do Um do corpo, que existe.

[
set
15

A linguagem como distúrbio do real

O autor apresenta um exemplo limite dos efeitos da tecnociência na
época atual, para sustentar a tese de que se passa dos “distúrbios de linguagem”
para se considerar a própria linguagem como um distúrbio. Se a ciência se propõe a
curá-lo, para a psicanálise, ele se apresenta como real e incurável.

Almanaque Online © 2006-2017